Anuncios

sexta-feira, junho 24, 2011

Gildes Bezerra

Gildez Bezerra sempre foi um exemplo de poeta de primeira linha, canta e diz as coisas simples que enfeitam nossos dias.

Criado na Serra da Mantiqueira, sempre valorizou aquele cantinho do Sul de Minas, entre Wenceslau Brás e Itajubá. Cresci ouvindo os pensamentos dele sobre as montanhas, as quaresmeiras, o rio sapucaí, as mulheres e a vida.


O excelente poema abaixo foi uma resposta a um cartão de fim-de-ano que o Gildes Bezerra recebeu do Rolando Boldrin na década de 80′, por ter participado do “Som Brasil”, que ele apresentava, na Globo.

Gostei tanto que resolvi colocar a versões escrita e declamada, para os seguidores do Curvas de Rio curtirem a vontade...

Cantá
Cantá seja lá cumu fô
Si a dô fô mais grandi qui o peito
Cantá bem mais forte qui a dô
Cantá pru mor da aligria
Tomém pru mor da triteza,
Cantano é qui a natureza
Insina os ome a cantá

Cantá sintino sodade
Qui dexa as marca di verga
Di arguém qui os óio num vê
I o coração inda inxerga

Cantá coieno as coieta
Ou qui nem bigorna no maio
Qui canto bão de iscuitá
É o som na minhã di trabaio

Cantá cumu quem dinuncia
A pió injustiça da vida:
A fomi i as panela vazia
Nus lá qui num tem mais cumida

Cantá nossa vida i a roça
Nas quar germina as semente,
As qui dão fruto na terra
I as qui dão fruto na gente
Cantá as caboca cum jeito,
Cum viola i catiguria
Si elas cantá nu seu peito
Num tem cantá qui alivia
Cantá pru mor dispertá
U amor qui bati i consola
Pontiano dentro da gente
Um coração di viola

Cantá cum muitos amigos
Qui a vida canta mio
É im bando qui os passarim
Cantano disperta o só

Cantá, cantá sempri mais:
Di tardi, di noiti i di dia
Cantá, cantá qui a paiz
Carece de mais cantoria

Cantá seja lá cumu fô
Si a dô fô mais grandi qui o peito,
Cantá bem mais forti qui a dô



Em tempo, Gildes Bezerra foi homenageado no domingo (19/06/2011) pela Academia Itajubense de Letras como poeta maior da terrinha e agradeceu com os seguintes dizeres:

" A poesia, a gente tira. As pessoas é que nos dão a poesia. Elas nos dão isso e a gente devolve em palavras (...) É a poesia que tem o poeta. Se ele não escreve, ele também não dorme."

Obrigado e Parabéns Gildes!!!

6 comentários:

  1. Muito obrigado!Inclusive pelas poesia que vocês me dão e eu escrevo. Só tenho encontrado pessoas de bom coração, como você, graças a Deus. Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Confesso que jamais vi algo tão lindo. Chorei mesmo! Parabéns a Gildes Bezerra e a Giovanni Guimarães! Estou encantada!

    ResponderExcluir
  3. Lindo demais! Vi hoje no "Como Será".

    ResponderExcluir
  4. Lindo demais! Vi hoje no "Como Será".

    ResponderExcluir
  5. Hoje assisti uma gravação do Sr. Brasil, programa do Rolando Boldrini na Cultura, onde o William Correa declamou esse poema. Foi algo tão bonito que acabei aqui.

    ResponderExcluir